Os 100 anos da Semana de Arte Moderna de 22 é comemorado pelo MAM de Resende com exposição

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

[ad_1]

Com o tema “O que importa é a confusão”, mostra será aberta às 16h desta sexta-feira, dia 18 de fevereiro, no Centro Histórico

A exposição estará aberta para visitação entre os dias 22 de fevereiro e 25 de março Foto: Gleisiane Carvalho(PMR).

Resende- A Prefeitura de Resende, por meio da Fundação Casa da Cultura Macedo Miranda (FCCMM), abrirá a exposição “100 anos da Semana de Arte Moderna de 22: O que importa é a confusão”, nesta sexta-feira, dia 18 de fevereiro, no Museu de Arte Moderna (MAM) de Resende.

Às 17h desta sexta, haverá um bate-papo com a curadora da mostra, Sônia Siqueira, que será transmitida no Instagram da Prefeitura (@prefresende). A exposição estará aberta para visitação entre os dias 22 de fevereiro e 25 de março, de segunda a sexta-feira, das 11h às 17h, na sede do MAM, situada na Rua Doutor Cunha Ferreira, nº. 104, no Centro Histórico.

A diretora do MAM, Carmem Aguiar, explica a importância do movimento cultural no País, destacando sua história e expressividade no mundo ocidental.

— A chegada da arte moderna ao Brasil colocou as pessoas em sintonia com o que estava acontecendo na esfera artística no mundo ocidental. A Semana de Arte Moderna de 22 é a marca histórica do início do modernismo no País, referência cultural do século XX. A “Semana” alavancou uma renovação da linguagem artística, na busca de experimentação, liberdade criadora, ruptura com o passado e até corporal, pois a arte passou a ser moderna, chocando parte da sociedade ao trazer uma nova visão sobre os processos artísticos. O evento, que ocorreu no Teatro Municipal de São Paulo, foi a manifestação cultural de extrema relevância. O movimento fez o papel de divulgação da arte moderna, que, por sua vez, cultivou o terreno para a consolidação de uma revolução artística e literária que tomou forma após 1922, quando foram lançados os manifestos de Oswald de Andrade e as obras fundamentais do Primeiro Modernismo brasileiro – frisa.



[ad_2]

Fonte: Diário do Vale