‘Autoridades e a Liga das Escolas de Samba tiveram enorme sensibilidade no adiamento do carnaval’, afirma pneumologista

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

[ad_1]

A decisão das prefeituras do Rio de Janeiro e de São Paulo de adiar a realização dos desfiles das Escolas de Samba para o fim de semana do feriado de Tiradentes, em abril, foi a saída das autoridades para manter o espetáculo diante do alto número de casos da Covid-19. Margareth Dalcolmo, pneumologista e pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), elogiou a decisão dos prefeitos e demonstrou otimismo em relação ao cenário epidemiológico em três meses:

Detalhes: Desfiles do Grupo Especial na Sapucaí acontecerão nos dias 22 e 23 de abril, sexta-feira e sábado do feriadão

— Gostaria de cumprimentar as autoridades e a Liga das Escolas de Samba pela enorme sensibilidade que tiveram no adiamento do carnaval. Isso responde a uma expectativa de nós todos, médicos e comunidade científica. Os dados epidemiológicos nos preocupam muito, ainda estamos em curva de ascensão da transmissão no Brasil, mas esperamos que, sim, até abril, tenhamos a situação mais favorável que vai permitir fazer o espetáculo que é o mais esperado e desejado.

A Prefeitura de São Paulo já havia anunciado na quarta-feira o protocolo sanitário para os desfiles do carnaval. Entre as medidas, estava limite de ocupação máxima de 70% da capacidade de público em todos os setores, passaporte da vacina para foliões e público, assim como o uso obrigatório de máscara.

Para Margareth Dalcolmo, autoridades tiveram sensibilidade na decisão pelo adiamento dos desfiles
Para Margareth Dalcolmo, autoridades tiveram sensibilidade na decisão pelo adiamento dos desfiles Foto: Ana Branco / Agência O Globo

Dalcolmo disse que ainda não é possível afirmar se essas medidas deverão ser mantidas nos desfiles em abril.

— Depende porque não sabemos como estará a situação epidemiológica daqui a esse período de três meses. Dependerá de vários indicadores: taxa de vacinação de toda a população, uma vez que sabemos que, a despeito da alta taxa de transmissibilidade da cepa Ômicron, ficamos protegidos pelo fato de estarmos vacinados; uma taxa de boa cobertura na população pediátrica, já que teremos vacinado um número muito grande de crianças até lá, o ano letivo vai ter começado e teremos termômetro avaliação — explica.

A Prefeitura do Rio, que anunciou no início do ano o cancelamento do carnaval de rua, ainda não definiu se a folia fora do sambódromo poderá ser reconsiderada.

— Acho que a decisão contempla todas as manifestações de grupo, todas as manifestações do carnaval de rua quanto os desfiles. Acho que a decisão deverá contemplar os dois campos, na medida em que (o carnaval) foi adiado. A minha impressão é de que sim, se for liberado um, poderá ser liberado o outro também.



[ad_2]

Fonte: G1