Polícia tem 4 versões diferentes de suspeitos para morte de taxista no Uberaba

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

[ad_1]

O delegado Tito Lívio Barichello, da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), afirmou que, atualmente, a Polícia Civil conta com quatro versões distintas dos suspeitos de estarem envolvidos na morte do taxista Sérgio Rodrigues, no Uberaba. A fala veio após a reconstituição do caso, no fim da manhã desta sexta-feira (17), em um terreno baldio na Rua Erzinger Correia, local onde a vítima achada morta a tiros.

“Nós precisamos compreender como que os fatos ocorreram, como que ocorreu a morte de Sérgio. Precisamos entender onde o veículo parou, quem desceu do veículo, quem atirou… porque nós temos, na verdade, quatro interrogatórios conflitantes, diferentes. Cada um com uma versão diversa. Nosso objetivo é buscar a verdade material […] para tentar, de forma humana, compreender o que realmente ocorreu”.

Tito Lívio Barichello concede entrevista à Banda B.

A polícia ressalta que a reconstituição é importante porque permite (re)montar a cena do crime, baseada na fala dos suspeitos sobre a morte do taxista no Uberaba. Trata-se de um instrumento previsto no Código Penal. Barichello pontua que este momento é fundamental para a identificação de controvérsias nos discursos dos suspeitos.

“Sem dúvida. Isto porque a outra análise é feita no papel. A análise concreta, no momento, nos permite entender os fatos de uma forma mais próxima da realidade”, alegou.

Defesa dos suspeitos

Os investigados estiveram no local acompanhados de seus advogados, de acordo com a polícia. À Banda B, os advogados Igor José Ogar e Daniele Molinari, falaram que o principal motivo da reconstituição é questionar a incompatibilidade das versões apresentadas pelos quatro suspeitos.

“A importância para a defesa é muito grande”, iniciou ele, a respeito da partição da reconstituição. “Até porque existem pontos divergentes que, segundo a autoridade policial, estão incidindo de forma negativa aos nossos constituintes. Agora, com a versão simulada dos fatos, poderemos demonstrar à autoridade policial e ao poder judiciário que os fatos não ocorreram, exatamente, como algumas versões anteriores dadas por uma dessas pessoas, apontam. Então, será determinado quem foi a pessoa que promoveu a emboscada e os disparos”, afirmou.

Três dos suspeitos estão presos. Uma mulher também suspeita de participação no caso, encontra-se respondendo o inquérito em liberdade. Daniele explica o porquê há uma pessoa livre.

“Ela se apresentou espontaneamente, antes da expedição do mandado de prisão temporária. Os demais foram apresentados posteriormente, então precisou ser cumprido os mandados“, afirmou.

Prisões dos suspeitos

Dois suspeitos de matar a tiros o taxista Sérgio Rodrigues foram presos na manhã da última segunda, 13 de dezembro. A captura também aconteceu no bairro Uberaba em um local muito próximo de onde a vítima foi encontrada.

Além da dupla, na noite de 2 de dezembro, a Polícia Civil também prendeu a esposa do taxista. Ela foi levada à delegacia e confessou ser a mandante do crime.

Morte do taxista Sérgio Rodrigues

Segundo a polícia, a esposa, uma amiga e dois homens foram até o local onde estava Sérgio e um dos rapazes atirou no abdômen do taxista. Os quatro foram embora e deixaram o trabalhador no local. Quando voltaram, concluíram que precisavam esconder o carro, mas lembraram que a chave havia ficado com Sérgio. Foi então, segundo as investigações, que os quatro voltaram e encontraram o taxista tentando deixar o local, mesmo ferido. Os criminosos atiraram contra a cabeça dele.

Local da morte de Sérgio Rodrigues – reconstituição

O repórter Eliandro Santana esteve no local onde foi feita a reconstituição do crime contra Sérgio Rodrigues. Veja nas imagens, abaixo.

[ad_2]

Fonte: Banda B