Rodoviários de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, Maricá e Tanguá, podem paralisar as atividades em novembro

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

O sistema de ônibus é responsável por mais de 70% dos deslocamentos no Rio de Janeiro, mas a crise enfrentada nos transportes públicos põe em risco a operação do modal. Rodoviários dos municípios de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, Maricá e Tanguá, na Região Metropolitana do Rio, podem paralisar as atividades a partir de novembro, caso a proposta de reajuste salarial e outras reivindicações da categoria não sejam atendidas.

Na próxima semana, o Sindicato dos Rodoviários de Niterói a Arraial do Cabo (Sintronac) encaminhará ao Ministério Público do Trabalho (MPT) e às empresas de ônibus a proposta de reajuste salarial imediato de 10%; aumento de 20% nas demais cláusulas econômicas do contrato de trabalho; R$400 para o valor da cesta básica; comissão de 2% para os motoristas que acumulem a função com a de cobradores; e instalação de cofres nos pontos finais de maior circulação, para que volumosas quantias de dinheiro não sejam transportadas pelos trabalhadores.

Rodoviários de 30 empresas dos municípios foram convocados para as deliberações. Na próxima terça-feira (5), haverá uma reunião dos representantes dos trabalhadores com os patrões na sede do sindicato das empresas (Setrerj), também em Niterói. Caso aconteça, a greve atingirá 438 linhas municipais e intermunicipais dos municípios, responsáveis pelo transporte mensal de aproximadamente 36 milhões de passageiros.

Todas as nossas reportagens estão em constante atualização. Quem entender (pessoas físicas, jurídicas ou instituições) que tem o direito de resposta acerca de quaisquer de nossas publicações, por ter sido citado ou relacionado a qualquer tema, pode enviar e-mail a qualquer momento para plantaodoslagosrio@gmail.com

  • ©Plantão dos Lagos
  • Fonte: Radio 93FM
  • Fotos: divulgação