Moradores abandonam casas com medo do tráfico em SG

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

[ad_1]

Real por real, economizado por anos, até que o grande sonho fosse realizado: a compra da casa própria. Para muitos, o local onde foi criado era a melhor opção. Anos depois, goncalenses de diversos bairros de São Gonçalo foram do sonho ao pesadelo e estão tendo que abandonar seus lares para fugir da ação de bandidos, sejam traficantes ou milicianos. 

“Trinta e cinco anos vivendo o sonho da casa própria, e tive que largar tudo e vir pra roça.  Morar no Jóquei ficou impossível.  É tráfico, roubo, tiroteio”, contou um ex-morador da região.  

O homem, que conversou com a equipe do jornal O SÃO GONÇALO,  contou ainda que, precisou alugar a casa por um preço muito abaixo do mercado, para que seu imóvel não ficasse vazio e fosse invadido por criminosos. 

“Quem vive lá, e é pessoa de bem, só continua na casa porque precisa. Não existe mais paz por lá “, garantiu. 

Para o ex-morador do local, deixar o Jóquei foi uma decisão difícil. “Eu adoro São Gonçalo. Foi o lugar que fiz minha família, que cresci. Mas, ficamos largados de mão. Os bandidos fazem o que querem, a polícia chega atirando em tudo que vê,  é dificil”. 

Mas o problema em questão não é uma exclusividade de quem mora no Jóquei. Uma família do Jardim Catarina retirou os filhos de casa,  para que os jovens adultos não precisassem retirar barricadas ao chegarem em casa. 

“Somos mais velhos e não podemos abandonar o único patrimônio da família, que é nossa casa, construída com muito suor e lágrimas por mais de 15 anos. Isso aqui era a única coisa que ia deixar para eles. Mas chegamos num ponto, que eu nem quero que eles venham aqui”, contou o professor aposentado. 

Para tentar proteger os dois filhos, o casal está ajudando num aluguel para que os filhos tenham um pouco mais de tranquilidade ao chegarem das faculdades, onde estudam no período da noite. 

“Aqui, eu construi casa que vale quase meio milhão, se for pensar no imóvel de forma isolada. Se for pensar no local, acho que não me pagam R$ 100 mil”, disse. 

Para os idosos a situação, além de perigosa, é inacessível, muitas vezes. “Aos finais de semana não podemos sair de casa. Se tiver baile, não conseguimos sair de casa, dormir então, nem se fala. Se tiver barricada, o carro tem que ficar longe e a gente  precisa andar até em casa. Acordamos agradecendo pela noite passada e dormimos pedindo a Deus para nos proteger. A casa própria era um sonho, mas agora a gente só sonha em poder sair daqui”, desabafou.

A Assessoria de Imprensa da Secretaria de Estado de Polícia Militar informou que o comando do 7º BPM (São Gonçalo) vem realizando diariamente ações de retirada de barricadas em diversos bairros no município de São Gonçalo. O comando da unidade vai analisar a situação da localidade mencionada para incluir no planejamento estratégico de desobstrução dos obstáculos da região.Cabe ressaltar que a Polícia Militar emprega suas ações de policiamento ostensivo de acordo com análise criteriosa das manchas criminais. Ações para remoção de barreiras físicas (barricadas) são planejadas e executadas sistematicamente, sempre com a preocupação central na preservação das vidas dos cidadãos das localidades e dos policiais envolvidos nas mobilizações.

[ad_2]

Fonte: O São Gonçalo