‘Nunca ninguém suspeitou de nada’, diz familiar sobre homem apontado como assassino de esposa e tios em Macaé, no RJ | Região dos Lagos

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

[ad_1]

Foram sepultados na tarde deste sábado (12), no Cemitério Memorial da Igualdade em Macaé (RJ), os corpos de Erica Suenia Santos Pereira, de 39 anos, Adina de Luna Silva, de 66 anos, e José de Assis Ferreira dos Santos, de 68 anos.

Os corpos dos três foram encontrados com diversos ferimentos na madrugada deste sábado (12), na Estrada Virgem da Santa, no bairro Virgem Santa. Adina e Assis eram tios de Erica.

De acordo com o IML de Macaé, Erica Suenia Santos Pereira foi morta com diversas facadas no pescoço, tórax e cabeça. Já Adina e Assis, foram mortos com golpes de marreta e sofreram hemorragia cerebral, fraturas de crânio e ação contundente.

O principal suspeito de cometer os crimes, segundo a polícia, é o esposo de Erica Suenia, Luciano Alberto de Oliveira, de 43 anos. Ele é procurado pela polícia desde a madrugada deste sábado (12).

Luciano Alberto de Oliveira, de 43 anos, é suspeito de matar companheira e os tios dela — Foto: Redes sociais

“Nunca ninguém suspeito de nada”, disse Heloísa Luna, prima e sobrinha das vítimas.

Erica e Luciano eram casados há 21 anos e haviam se mudado de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, para Macaé há cerca de quatro anos.

Corpo de Erica foi encontrado em geladeira

Na tarde deste sábado, o g1 conversou com a prima de Erica e sobrinha de Adina e Assis, Heloísa Luna. De acordo com ela, os familiares estavam sem contato com Erica desde quinta-feira (10).

“A irmã tentou falar com ela, mas não conseguiu. Na sexta, ela ligou para o Luciano e ele falou que o celular da Erica tinha quebrado e eles estavam indo ao shopping para comprar outro”, afirmou Heloísa.

O corpo de Erica foi encontrado dentro da geladeira da casa onde ela vivia com o esposo, na madrugada de sábado. Segundo Heloísa, o eletrodoméstico estava virado para a parede quando a polícia e familiares de Erica chegaram ao local. A perícia constatou que ela foi morta ainda na quinta-feira.

Erica Suenia, de 39 anos, foi morta a facadas e teve corpo escondido dentro de uma geladeira — Foto: Reprodução/Redes sociais

Os corpos dos tios de Erica, no entanto, foram os primeiros a serem encontrados, dentro da residência deles, que fica próxima ao apartamento onde Erica morava com Luciano. Quem encontrou as vítimas já sem vida foi uma sobrinha do casal, que ouviu os gritos e foi verificar o que estava acontecendo.

Adina estava no chão da cozinha e Assis foi encontrado dentro de um quarto na mesma residência.

“Acreditamos que ele matou meu tio primeiro, no quartinho de bagunça, e fechou a porta. Minha tia não estava em casa, estava na casa de uma amiga. Por isso acreditamos que ele esperou até ela chegar para matá-la”, contou Heloísa.

Mãe e sobrinho de Erica também foram feridos

Após sair da casa dos tios, Luciano pegou o carro de Assis e seguiu para a casa onde a mãe de Erica, de 61 anos, mora, segundo familiares. No local, ele foi recebido pelo sobrinho da vítima, um jovem de 19 anos.

“Ele veio na casa da sogra dele e falou que a filha dela tinha sofrido um acidente. Minha tia estava no quarto e ele não sabia que o sobrinho estava lá. Quando ele a chamou, o sobrinho atendeu e assim que ele se virou de costas para chamar minha tia, foi atingido na cabeça”, relatou Heloísa.

Ainda segundo a prima da vítima, após golpear o sobrinho, Luciano golpeou a sogra com marretadas na cabeça, mas foi contido pelo rapaz e fugiu com o carro.

A mãe e o sobrinho de Erica foram levados para o Hospital Público de Macaé. O rapaz ficou com um inchaço na cabeça e a mãe da vítima precisou de pontos, mas os dois já foram liberados da unidade e passam bem.

Suspeito era considerado calmo e muito próximo da família

De acordo com Heloísa, Erica e Luciano não aparentavam estar passando por problemas pessoais. Ainda segundo a prima e sobrinha das vítimas, Luciano era considerado um homem calmo e muito próximo da família.

Heloísa Luna era muito próxima da prima Erica Suenia, assassinada em Macaé — Foto: Arquivo pessoal

“Era um casal normal. Ele não era agressivo, não usava drogas, não era depressivo. Um cara educado, era calmo, tinha boca e não falava. Existia ciúme dele com ela, e dela com ele, mas era coisa normal, de casal. Eles aparentavam estar tudo bem”, afirmou Heloísa.

“Ele era muito ligado a nossa família, até porque estavam 21 anos juntos”, acrescentou a prima.

Erica Suenia trabalhava como emprega doméstica e Luciano estava desempregado. De acordo com a família, o casal vivia com o salário de Erica e o dinheiro da casa que venderam em Duque de Caxias.

Ele tinha muita intimidade com os meus tios, frequentava a casa deles direto, almoçava, tinha acesso à casa, ao carro.

“Ele que dirigia o carro porque meus tios não sabiam dirigir, ele que levava para fazer vistoria, ele ia para a rua com o cartão de crédito da minha tia para sacar dinheiro. Era uma pessoa de confiança”, contou Heloísa.

Na sexta-feira, ainda segundo familiares, Luciano passou o dia com Adina e Assis, mas não parecia estar bem como era o habitual.

“Minha tia foi cobrar ele um documento do carro e ele perguntou se ela estava em casa, porque iria levar um dinheiro que devia pra ela”.

“Só que ele estava com um aspecto diferente, voz diferente, estava fumando muito, nervoso. Mas ninguém imaginava nada”

Ainda na sexta-feira, Luciano anunciou que estava vendendo uma televisão nas redes sociais. “Era a televisão da minha tia. Ele queria vender, mas fugiu antes dos compradores chegarem”, afirmou a prima.

Para Heloísa, o crime já havia sido planejado.

“Ele queria matar todo mundo. Isso foi planejado. Mas eu creio que o Senhor vai fazer justiça!”, desabafou.

A placa do carro utilizado para a fuga foi encontrada em Itaboraí. A polícia segue em busca de Luciano.

[ad_2]

Fonte: G1