Estamos passando pela sexta extinção em massa?

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

A quinta extinção em massa ocorreu há 65 milhões de anos, quando um asteroide eliminou os dinossauros da face da Terra. Agora, os cientistas temem que a sexta extinção já tenha começado.

Estágios iniciais

2 de 21 Fotos na Galeria: Uma equipe liderada pelo professor Robert Cowie, da Universidade do Havaí, argumenta em um estudo publicado pela Biological Reviews que “parece cada vez mais provável” que estejamos nos estágios iniciais de uma nova extinção em massa.

Uma equipe liderada pelo professor Robert Cowie, da Universidade do Havaí, argumenta em um estudo publicado pela Biological Reviews que “parece cada vez mais provável” que estejamos nos estágios iniciais de uma nova extinção em massa.

Não há espaço para ceticismo

3 de 21 Fotos na Galeria: “Há uma montanha de dados se acumulando rapidamente, e não há mais espaço para ceticismo ou pergunta-se se isso realmente está acontecendo”, argumenta o estudo, citado pelo site de notícias Vice.

“Há uma montanha de dados se acumulando rapidamente, e não há mais espaço para ceticismo ou pergunta-se se isso realmente está acontecendo”, argumenta o estudo, citado pelo site de notícias Vice.

O que é uma extinção em massa?

4 de 21 Fotos na Galeria: Uma extinção em massa ocorre quando cerca de 70% da vida animal e vegetal deixa de existir. Em outras palavras, é uma catástrofe mundial envolvendo a biodiversidade e o ecossistema.

Uma extinção em massa ocorre quando cerca de 70% da vida animal e vegetal deixa de existir. Em outras palavras, é uma catástrofe mundial envolvendo a biodiversidade e o ecossistema.

Moluscos

5 de 21 Fotos na Galeria: O estudo se concentra em animais invertebrados, especificamente moluscos. Considera que a União Internacional para a Conservação da Natureza dá atenção desproporcional aos vertebrados, como aves e mamíferos.

O estudo se concentra em animais invertebrados, especificamente moluscos. Considera que a União Internacional para a Conservação da Natureza dá atenção desproporcional aos vertebrados, como aves e mamíferos.

Diversidade animal

6 de 21 Fotos na Galeria: “A União Internacional para a Conservação da Natureza não avaliou nada além de uma minúscula fração de invertebrados, como insetos, caracóis, aranhas e crustáceos, que constituem 95% da diversidade animal”, disse Cowie à Vice. Imagem: Ed van Duijin / Unsplash

“A União Internacional para a Conservação da Natureza não avaliou nada além de uma minúscula fração de invertebrados, como insetos, caracóis, aranhas e crustáceos, que constituem 95% da diversidade animal”, disse Cowie à Vice.

Imagem: Ed van Duijin / Unsplash

Desde 1500

7 de 21 Fotos na Galeria: O estudo indica que entre 7,5% a 13% das espécies desapareceram desde 1500, o que sugere que estamos caminhando para a extinção em massa. Na foto: Uma réplica de um tigre da Tasmânia (Thylacine), que foi declarado extinto em 1936, é exibido no Museu Australiano em Sydney.

O estudo indica que entre 7,5% a 13% das espécies desapareceram desde 1500, o que sugere que estamos caminhando para a extinção em massa.

Na foto: Uma réplica de um tigre da Tasmânia (Thylacine), que foi declarado extinto em 1936, é exibido no Museu Australiano em Sydney.

A culpa é nossa

8 de 21 Fotos na Galeria: Se realmente caminhamos para a sexta extinção em massa, seria a primeira (que conhecemos) causada pela intervenção de uma espécie. Neste caso, humanos.

Se realmente caminhamos para a sexta extinção em massa, seria a primeira (que conhecemos) causada pela intervenção de uma espécie. Neste caso, humanos.

O Antropoceno

9 de 21 Fotos na Galeria: De fato, o efeito humano no meio ambiente é tão intenso que muitos cientistas acreditam que vivemos em uma nova época geológica: o Antropoceno.

De fato, o efeito humano no meio ambiente é tão intenso que muitos cientistas acreditam que vivemos em uma nova época geológica: o Antropoceno.

Agricultura

10 de 21 Fotos na Galeria: Embora, até agora, permaneça hipotético, o Antropoceno teria começado com os primeiros impactos do ser humano na geologia e nos ecossistemas da Terra. E isto data de quando desenvolvemos a agricultura, 12.000-15.000 anos atrás.

Embora, até agora, permaneça hipotético, o Antropoceno teria começado com os primeiros impactos do ser humano na geologia e nos ecossistemas da Terra. E isto data de quando desenvolvemos a agricultura, 12.000-15.000 anos atrás.

A grande aceleração

11 de 21 Fotos na Galeria: Outros especialistas relacionam o Antropoceno com a Grande Aceleração, ao espantoso aumento da taxa de crescimento humano e de consumo de recursos, após a Segunda Guerra Mundial.

Outros especialistas relacionam o Antropoceno com a Grande Aceleração, ao espantoso aumento da taxa de crescimento humano e de consumo de recursos, após a Segunda Guerra Mundial.

Admirável mundo novo

12 de 21 Fotos na Galeria: Em outras palavras, o mundo em que nossos avós nasceram é completamente diferente do mundo em que vivemos agora.

Em outras palavras, o mundo em que nossos avós nasceram é completamente diferente do mundo em que vivemos agora.

Abelhas e borboletas

13 de 21 Fotos na Galeria: Um bom exemplo de que a sexta extinção em massa se aproxima é o desaparecimento de abelhas e borboletas em todo o mundo. Imagem: Dmitry Grigoriev / Unsplash

Um bom exemplo de que a sexta extinção em massa se aproxima é o desaparecimento de abelhas e borboletas em todo o mundo.

Imagem: Dmitry Grigoriev / Unsplash

Dentro de uma única geração

14 de 21 Fotos na Galeria: De acordo com o The Guardian, a população de abelhas na Europa e na América do Norte diminuiu mais de 30% no período de uma única geração. Imagem: Annie Spratt / Unsplash

De acordo com o The Guardian, a população de abelhas na Europa e na América do Norte diminuiu mais de 30% no período de uma única geração.

Imagem: Annie Spratt / Unsplash

Mais que mel

15 de 21 Fotos na Galeria: O colapso da população de abelhas também afeta os seres humanos. Elas não são apenas responsáveis pelo mel, também polinizam plantações. Sem estes animais, menos alimentos são produzidos.

O colapso da população de abelhas também afeta os seres humanos. Elas não são apenas responsáveis pelo mel, também polinizam plantações. Sem estes animais, menos alimentos são produzidos.

O efeito borboleta

16 de 21 Fotos na Galeria: Ao mesmo tempo, a National Geographic relata que mais de 450 espécies de borboletas no sudoeste dos Estados Unidos também estão desaparecendo. Imagem: Ed van Dujin / Unsplash

Ao mesmo tempo, a National Geographic relata que mais de 450 espécies de borboletas no sudoeste dos Estados Unidos também estão desaparecendo.

Imagem: Ed van Dujin / Unsplash

O papel das borboletas

17 de 21 Fotos na Galeria: As borboletas também são cruciais para polinizar muitas plantas e flores, afetando a cadeia alimentar e todo o ecossistema.

As borboletas também são cruciais para polinizar muitas plantas e flores, afetando a cadeia alimentar e todo o ecossistema.

Um habitat inóspito

18 de 21 Fotos na Galeria: O principal culpado pelo declínio das abelhas e borboletas são os ambientes mais quentes, causados pelas mudanças climáticas. As temperaturas crescentes transformam o antigo lar dessas espécies em algo inóspito.

O principal culpado pelo declínio das abelhas e borboletas são os ambientes mais quentes, causados pelas mudanças climáticas. As temperaturas crescentes transformam o antigo lar dessas espécies em algo inóspito.

Terra e matérias-primas

Isso sem levar em conta o uso desordenado da terra e das matérias-primas, que afetam ou destruem ecossistemas inteiros.

Na foto, o desmatamento na selva amazônica.

Danos irreversíveis

20 de 21 Fotos na Galeria: Os danos que os humanos causaram ao planeta provaram ser irreversíveis. O mais preocupante é que, apesar das inúmeras iniciativas e melhores intenções, continua até hoje.

Os danos que os humanos causaram ao planeta provaram ser irreversíveis. O mais preocupante é que, apesar das inúmeras iniciativas e melhores intenções, continua até hoje.

O tempo está acabando

21 de 21 Fotos na Galeria: Enquanto isso, o tempo está se esgotando para ainda manter o precioso equilíbrio que permitiu à humanidade viver por milhares de anos. Uma vez que tenhamos perdido este equilíbrio, quem sabe quais desafios enfrentarão a próxima geração?

Enquanto isso, o tempo está se esgotando para ainda manter o precioso equilíbrio que permitiu à humanidade viver por milhares de anos. Uma vez que tenhamos perdido este equilíbrio, quem sabe quais desafios enfrentarão a próxima geração?

Todas as nossas reportagens estão em constante atualização. Quem entender (pessoas físicas, jurídicas ou instituições) que tem o direito de resposta acerca de quaisquer de nossas publicações, por ter sido citado ou relacionado a qualquer tema, pode enviar e-mail a qualquer momento para plantaodoslagosrio@gmail.com