Estoque de crédito cresce 16,5% em 2021 mesmo com juro bancário no maior nível da pandemia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

[ad_1]

Por Bernardo Caram

BRASÍLIA (Reuters) -O estoque de crédito no Brasil subiu 16,5% em 2021 na comparação com o ano anterior, mesmo diante da elevação significativa nas taxas de juros cobradas pelos bancos, divulgou o Banco Central nesta sexta-feira.

O saldo total de crédito subiu 1,9% em dezembro sobre novembro, fechando o ano em 4,684 trilhões de reais, o que corresponde a 54,0% do Produto Interno Bruto (PIB).

A taxa média de juros cobrada pelas instituições financeiras, que vem acompanhando o aperto monetário promovido pelo Banco Central para controlar a inflação, encerrou 2021 em 33,9% –no fim de 2020, estava em 25,5% ao ano. O nível é o mais alto desde o início da pandemia, ficando abaixo do patamar observado em fevereiro de 2020, de 34,1% ao ano.

Os dados referem-se ao segmento de recursos livres, em que o custo dos financiamentos é livremente estabelecido pelas instituições financeiras, sem interferência do governo.

A taxa Selic, que iniciou o ano no patamar mínimo histórico de 2% ao ano, subiu 7,25 pontos percentuais ao longo de 2021, atingindo 9,25% no último encontro do Comitê de Política Monetária. O colegiado já indicou que deve promover uma nova elevação de 1,5 ponto na taxa na reunião de fevereiro.

Apesar da elevação das taxas, o nível de inadimplência permanece praticamente estável, encerrando dezembro em 3,1%, mesmo nível observado em novembro. No acumulado do ano, a alta total foi de 0,2 ponto percentual.

Em 2021, também houve crescimento no spread bancário, a diferença entre o custo de captação de recursos pelas instituições financeiras e o que elas cobram dos clientes na concessão do crédito.

O patamar do spread nas operações com recursos livres ficou em 23,7 pontos percentuais em dezembro, contra 23,0 pontos em novembro. No ano, a alta acumulada foi de 2,8 pontos.

PESSOAS FÍSICAS

Em relação ao crédito oferecido a pessoas físicas, o BC afirmou que o destaque na subida dos juros médios em 2021 foi para o rotativo do cartão de crédito, que ficou em 349,6% ao ano em dezembro, uma alta de 21,8 pontos percentuais em 12 meses. O patamar é o mais elevado desde agosto de 2017, quando ficou em 392,3% ao ano.

A taxa do parcelado do cartão de crédito, por sua vez, subiu 19,6 pontos percentuais em 2021, a 168,5% ao ano.

Foi registrada ainda uma elevação de 12 pontos percentuais na tarifa do cheque especial, que fechou 2021 em 127,6% ao ano.

O crédito pessoal não consignado também está entre as maiores altas do ano. A taxa média subiu 10,8 pontos percentuais em 12 meses, atingindo 85,2% em dezembro.

(Por Bernardo CaramEdição de Camila Moreira)

tagreuters.com2022binary_LYNXMPEI0R0JA-BASEIMAGE







[ad_2]

Fonte: Mix Vale