Dólar cai a mínimas em cinco meses e real é destaque no mundo com fluxo por juro mais alto

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

[ad_1]

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar começou a semana descendo a novas mínimas em cerca de cinco meses, com o real entre as divisas globais de melhor desempenho no dia, ainda embalado pelo atrativo juro oferecido pelo Brasil.

O dólar à vista terminou esta segunda-feira em baixa de 0,44%, a 5,2195 reais, menor valor desde 6 de setembro do ano passado (5,1764 reais).

O dia foi misto nos mercados globais de câmbio, com o índice do dólar em firme alta em dia de quedas de algumas divisas emergentes, entre as quais parte das latino-americanas. Porém, outros pares do real, como o peso mexicano e o rublo russo, se valorizaram.

Temores de conflito entre Rússia e Ucrânia justificaram uma postura mais defensiva de forma geral nos mercados financeiros globais ao longo do dia, mas a moeda brasileira mais uma vez venceu a pressão externa –e a narrativa para explicar segue a mesma: os elevados juros brasileiros como atratores de capital.

Mas no câmbio doméstico o fluxo positivo de capital estrangeiro continuou a dar o tom, num movimento que tem chamado atenção desde o começo do ano, desde quando já ingressaram cerca de 5,7 bilhões de dólares, em termos líquidos.

E especuladores que operam na Bolsa Mercantil de Chicago fizeram, na semana finda no último dia 8, a maior compra líquida de contratos de reais em pelo menos 26 anos. O montante foi tamanho que provocou uma virada no estoque de posições–de alvo certo de perda, o real agora é aposta de alta. É a primeira vez que investidores estão otimistas com a moeda brasileira desde setembro do ano passado e o nível de confiança é o maior desde agosto do mesmo ano.

O real lidera com folga os ganhos em 2022 entre seus principais rivais ao subir 6,78%, o equivalente a uma queda do dólar de 6,35%.

Em fevereiro, a taxa de câmbio se valoriza 1,66% –o dólar cai 1,63%–, o que deixa o real na vice-liderança global no período.

“O real tem se beneficiado de um ciclo de alta de juros muito rápido”, disseram em relatório estrategistas do Goldman Sachs, chamando atenção para o “carry” (taxa de retorno) da divisa, já em torno de 11% ao ano, a boa performance das moedas emergentes em geral e o patamar ainda elevado de prêmio de risco embutido na taxa de câmbio local.

“Diante disso, aliado ao alto ‘beta’ do real para o potencial de alta para as commodities, estamos reduzindo nossas projeções para o dólar a 5,00 reais, 5,10 reais e 5,10 reais em três, seis e 12 meses, respectivamente (de 5,40 reais, 5,50 reais e 5,50 reais anteriormente”, disseram, considerando que o entusiasmo com o real e com outras moedas de países que começaram cedo a subir os juros pode continuar no curto prazo.

Na mesma linha, o Rabobank reduziu sua projeção para o nível do dólar ao fim deste ano a 5,56 reais, contra estimativa anterior de 5,65 reais.

Há ponderações, contudo.

Em revisão de cenário da semana passada, o Itaú Unibanco disse que a Selic em alta e agora em dois dígitos tem ajudado a atrair maior fluxo de dólares ao Brasil, o que explica a apreciação recente do real. Não obstante, o banco manteve prognóstico de taxa de câmbio de 5,50 por dólar ao fim de 2022 e de 5,75 por dólar no término de 2023, avaliando que um movimento mais expressivo de apreciação dependeria da diminuição das incertezas externas e domésticas.

“No cenário global, a antecipação da elevação da taxa básica de juros americana (diante do aumento das pressões inflacionárias) é um fator importante e tem peso relevante na dinâmica do real. Internamente, as dúvidas relacionadas à evolução das contas públicas e sustentabilidade fiscal também tendem a pressionar a moeda nos próximos anos”, disseram.

tagreuters.com2022binary_LYNXMPEI1D0XI-BASEIMAGE







[ad_2]

Fonte: Mix Vale