Cercas vivas oferecem segurança e ajudam a embelezar propriedades | Nosso Campo

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

[ad_1]

Muita gente não sabe, mas boa parte das cercas vivas tem origem de viveiros em Herculândia (SP). O município é um dos maiores polos de produção de mudas de todo o país. São dezenas de espécies de plantas que podem ser usadas como cerca, mas cada uma tem diferentes características e funções.

O hibisco é muito popular, barato, cresce em qualquer lugar e ainda floresce. Outro tipo é o sansão do mato, especial para quem quer proteção, já que cresce com espinhos.

A tuia é uma das mais bonitas, até lembra uma árvore de Natal. Mas a campeã de vendas é a murta, que cresce rápido, exige pouca manutenção e tem um tom de verde que enche os olhos.

Cada muda de murta sai por R$ 2,50. Para o produtor João Ferreira da Silva, no entanto, o preço no mercado poderia ser melhor.

(Vídeo: veja a reportagem exibida no programa em 05/12/2021)

Cercas vivas oferecem segurança e ajudam a embelezar propriedades

Cercas vivas oferecem segurança e ajudam a embelezar propriedades

A irrigação para as mudas é fundamental e deve ser feita em média 30 minutos por dia, de segunda a segunda. Em uma empresa também em Herculândia, água não falta. A propriedade tem nove hectares, sendo parte da área reservada para o cultivo de cercas vivas.

No local, são cultivadas as principais espécies, como a murta e o podocarpo, que é um pouco mais caro. Ele forma um paredão depois de grande e suas folhas lembram as de um pinheiro. Ainda é possível encontrar o hibisco da folha rosa, que tem um charme especial. Os tipos são diferentes, mas os cuidados são os mesmos.

Depois de grande e plantada, a espécie murta tem pouco mais de dois metros de altura, mas é bem fechada e segura.

Além da espécie mais tradicional, o sansão do campo também é bastante comum. Ele tem um aspecto de arbusto, um pouco mais baixo, porém, seus grandes de espinhos garantem uma maior proteção para quem opta por essa planta. Esse tipo de cerca se adapta a todos os climas e não atrai pragas, nem insetos.

O produtor Braz Rodrigues Filho também investe nesse ramo. Ele aposta nas clusias, plantas de folha mais grossa e caule bem definido. Elas são um pouco mais caras do que as outras e servem tanto para cerca viva quanto para ornamentação.

VÍDEOS: veja mais reportagens do programa

[ad_2]

Fonte: G1