‘Dark kitchens’ conquistam seu lugar no mercado food mesmo com a retomada da economia | Região dos Lagos

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

[ad_1]

Elas não podem ser vistas, mas estão aos montes por aí. As chamadas “dark kitchens”, em inglês, ou, traduzindo, “cozinhas obscuras” ou “cozinhas fantasmas”, estão espalhadas pelo Brasil e também ganharam força pelo interior do Rio, se estabelecendo durante a pandemia.

Esse modelo “fantasma” de negócios se caracteriza pelo fato dos restaurantes serem encontrados pelos clientes apenas na internet, por meio de sites ou aplicativos de entrega delivery.

Para oferecer o serviço de alimentação, as empresas montam cozinhas adaptadas para o atendimento delivery, e, entre as vantagens, está a possibilidade de iniciar um negócio com investimento bem mais baixo do que na modalidade presencial, o que impulsionou o crescimento, de forma expressiva, principalmente na pandemia, em virtude da necessidade de recorrer ao serviço durante o isolamento social.

“As empresas encontraram nesse modelo um formato aonde você consegue ter uma pulverização muito maior, então, fica mais rápido acelerar o crescimento com custo muito reduzido, porque é um formato sem frente de loja. Então, em uma cozinha fantasma, industrial ou semi-industrial, você consegue colocar dentro dessa cozinha uma ou mais especialidade de food. Aí você consegue ter uma celeridade na expansão, custo menor e, eventualmente, uma rentabilidade maior”, disse o CEO Guilherme Lemos.

O CEO Guilherme Lemos explica sobre o formato das ‘dark kitchen’ são versáteis e de menor investimento — Foto: Divulgação Grupo Rão

Mesmo com o avanço da vacinação e retomada econômica, as ‘dark kitchens’ parecem ter conseguido estabelecer de vez a sua presença no mercado de alimentos, com a consolidação de franquias por diversas cidades do interior do Rio, como Campos, Petrópolis, Teresópolis, Nova Friburgo e Cabo Frio.

O crescimento do setor no Brasil acompanha o que vem ocorrendo no mundo. A Uber divulgou que, em 2020, obteve grandes prejuízos líquidos, mas anunciou que seu ramo de entrega de comidas Uber Eats teve um aumento na renda de 224% no mundo só no quarto trimestre. Grande rival da Uber Eats, a plataforma britânica Deliveroo também anunciou um aumento de suas vendas e que foi lucrativa por mais de seis meses graças às restrições de circulação. O serviço Delivery Hero, com sede em Berlim e que opera em 40 países, informou que quase dobrou suas operações no ano passado, efetuando 1,3 bilhão de entregas.

E foi no ramo de comida japonesa que o empresário Maurício Machado viu o seu negócio crescer em Cabo Frio.

“Graças a Deus é um modelo de sucesso, a gente começou em 2018, e, apesar da sazonalidade que a região apresenta, tem sido de crescimento constante”, conta o empresário.

Para o próximo ano, a expectativa dos especialistas segue em alta. Ao g1, María Bertoch, especialista do setor para o NPD Group, disse que o ramo de entrega de comida continuará seu impulso também em 2022, mas ela lembra: “Não se pode esquecer que se partiu de muito baixo, por isso esses crescimentos tão fortes”, explicou.

[ad_2]

Fonte: G1